terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Estou de parabéns!

Hoje venho festejar contigo. Hoje venho dizer-te que estou feliz comigo mesma, que este ano consegui!!

O que consegui eu? Consegui passar o outubro e o novembro, a quadra festiva e todo o janeiro sem entrar em stress e sem me sentir sobrecarregada. Já vinha sendo hábito que durante este período me sentisse depressiva ou preocupada. Comecei a ver um padrão nisto e, após reflectir, concluí, como te escrevi aqui, que após as férias de verão vinha tão descansada e com as baterias tão carregadas  que me entusiasmava e me sobrecarregava de atividades e obrigações.
E porquê? Porque queria que tudo fosse perfeito. Queria ser top em todas as áreas da minha vida. Queria ter tudo. Mas afinal o que é isso ter tudo? Fui buscar a minha memória, as minhas leituras sobre este tema e decidi que não estava no rumo certo para mim.

E assim estabeleci que este ano faria diferente, não procuraria perfeição, iria manter as atividades como estavam, sem procurar melhorá-las. Tudo aquilo que era gestão doméstica, compromissos, horários, tudo isso que gera stress, ficaria como estava, porque considerei que estava no essencial. Porque achei que estavam ajustadas às nossas necessidades e ao nosso ritmo familiar. Que preenchiam os requisitos para o nosso bem-estar e felicidade, quer da família, quer de cada um de nós enquanto indivíduo. 

Iria, pois, focar-me no usufruto da vida, na qualidade do estar presente e viver consciente. Apostei em experiências, em hobbies, em conexão com os outros e o tempo fluiu e, alegria atrás de alegria, gerou-se, em mim, uma onde de satisfação e felicidade. Claro que estas novas ligações aos outros, ou o seu aprofundamento, os hobbies e a vivência de experiências exigiram tempo, geraram compromissos, mas o curioso é que, como são compromissos de coração, que são gerados sem obrigação mas por puro prazer, eles não acrescentaram stress, eles deram significado ao acordar, deram conteúdo ao dia e uma sensação maravilhosa de realização ao deitar.

Imagem
E foi assim que cheguei quase ao fim de fevereiro sem neura, nem depressão, sem preocupação. Aliás, cheguei aqui sem me lembrar que era habitual, nesta altura do ano, isso acontecer e sabes porquê? Estava tão empenhada e focada a viver cada dia, que me parecia tão belo e alegre, que nem dei conta de que já estamos acabar fevereiro.

Por isto tudo, sim, eu estou de parabéns. Consegui passar o obstáculo, consegui corrigir o meu percurso e consegui, este ano, passar ao lado do meu estado de desgraça outono/inverno. Este ano tem sido sempre primavera/verão no meu coração. E só por isso, eu estou de parabéns.


Sem comentários:

Enviar um comentário