quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

6 de abril '96 de Sveva Casati Modignani

Não depositava grandes esperanças neste livro. Já tinha ouvido falar muitas vezes da autora e sabia que vendia muito bem. No entanto, com algum preconceito meu, confesso, tinha sempre considerado-a como uma literatura ligeira e pouco atrativa.

Mas como leitora gosto de conhecer outros autores, mesmo aqueles que penso que poderei não gostar. Foi com este sentido que trouxe para casa, da biblioteca municipal (uma verdadeira arca do tesouro para mim), o livro 6 de abril '96 de Sveva Casati Modignani. Curioso ou não, é que assim que o comecei a ler tive a oportunidade de conversar com uma fã da autora que estava a ler, naquela altura, o  A vinha do anjo. Alertou-me logo para que o livro 6 de abril '96 não era o  melhor para conhecer a autora, porque não era a sua melhor escrita. Que haveria outros que me dariam um retrato muito melhor de como a autora era boa. 

Como podes ver, as minhas expetativas no início da leitura eram muito baixas, mas os primeiros capítulos conquistaram-me. Gostei da forma com a história inicia, gostei de como as personagens nos são apresentadas, gostei do suspense inicial e do enredo, muito embora a escrita, propriamente dita, não me conseguisse prender verdadeiramente.

Com o andar do livro, as personagens tornam-se mais complexas, as suas dúvidas e tentações surgem, as suas decisões começam a tomar peso. No entanto o pendor do livro não aumenta e isso marca-o. É um livro constante, morno, que nos mantém embalados mas sem grandes emoções. É um livro que se lê, não se devora.

Terei que ler outro livro da autora, porque este, apesar de não poder dizer que não gostei, não me convenceu.


Sinopse
(Retirei da Wook)
Para recuperar a memória, depois de ter sido violentamente agredida, Irene tem diante de si uma difícil tarefa - uma dolorosa viagem ao passado. Ainda jovem e bela, Irene carrega uma pesada herança - a mãe e a avó tinham pago caro as tentativas de afrontar a moral vigente e as convenções de um mundo rural que as subjugava. Também ela não será poupada quando abandona o campo e parte em busca do seu próprio caminho. Apesar do sucesso profissional e bem-estar económico que alcança, Irene não encontra o equilíbrio emocional. Será necessária uma crise profunda para que ela encontre forças para aguardar o futuro com serenidade e confiança.

6 de abril’96 é um romance empolgante dedicado às mulheres: as que lutaram por assumir as rédeas do seu próprio destino e as que hoje usufruem das conquistas alcançadas então.

Sem comentários:

Enviar um comentário