quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Trilogia das Jóias Negras - Anne Bishop

Já tinha ouvido falar muito de Anne Bishop, mas nunca tinha pegado num livro seu. Até conhecer Juliet Marillier não era grande fã do fantástico e depois, fiquei tão apaixonada por Juliet que me esqueci de explorar outras possibilidades. 

Um dia, nos meus passeios pela biblioteca municipal, deparo-me com esta trilogia e nem pensei duas vezes. Levei-os para casa. Que surpresa!

Anne Bishop faz-nos ver, torna reais as cenas. As suas descrições são tão poderosas, tão bem conseguidas que nos fazem ver o filme à nossa frente. Foram tantos os momentos em que me esqueci que estava a ler e me pareceu que estava a observar as cenas, as personagens, os movimentos, os lugares. Parecia um filme a desenrolar-se à minha frente. Magnífica escrita, poderosa!

E quanto ao estilo...fantasia verdadeiramente, arrojada, corajosa, totalmente destemida. É um mundo diferente que Bishop apresenta ao leitor. Personagens diferentes que são tão bem tratadas, apresentadas e exploradas que aceitamos, a sua diferente realidade, como o algo possível e aceitável. 

Anne introduz-nos uma série de ideias alternativas de comunicação, de existência, de transporte. Brilhante como numa narrativa consegue fazer passar, com a ligeireza que faz, conceitos tão complexos. A ideia dos parentes comoveu-me, deixou-me reflexiva, toucou-me.

A trilogia trata da história de uma rainha, há muito esperada como a salvadora.

As personagens...enfim, adorei-as. A sua complexidade e a essência que lhe foi dada surpreendeu-me, tantas e todas tão bem construídas. Todas com uma complexidade muito grande em termos de pensamento e espírito. São personagens em 3D, nada em Anne Bishop me pareceu linear.

"Bastardinho, Bastardolas", "Beijinho, beijinho", enfim, quem já leu reconhecerá imediatamente as personagens a que me refiro. 

A história é boa, mas o que mais que cativou foi a forma brilhante como Anne nos faz ver um mundo cheio de diferenças como se fosse a mais normal das realidades, sem precisarmos de grande esforço para o imaginar. Está ali à nossa frente, totalmente disponível para podermos desfrutar e explorar.

Magnifíco, Anne Bishop, magnífico. 


Sipnose
(retirei do site da wook)

Volume I - Filha de Sangue
Há setecentos anos, num mundo governado por mulheres e onde os homens eram meros súbditos, uma Viúva Negra profetizou a chegada de uma Rainha, na sua teia de sonhos e visões.
Agora o Reino das Sombras prepara-se para a chegada dessa mulher, dessa Feiticeira que terá mais poder do que o próprio Senhor do Inferno. Mas a Rainha ainda é nova, passível de ser influenciada e corrompida. Quem controlar a Rainha controlará o mundo.
Três homens poderosos — inimigos de sangue — sabem isso. Saetan, Lucivar e Daemon apercebem-se do poder que se esconde por trás dos olhos azuis daquela menina inocente. E assim começa um jogo cruel, de política e intriga, magia e traição, onde as armas são o ódio e o amor. O preço pode ser terrível e inimaginável.

Volume II - Herdeira das Sombras
Há setecentos anos, num mundo governado por mulheres e onde os homens são meros súbditos, uma Viúva Negra profetizou a chegada de uma Rainha na sua teia de sonhos e visões.
Jaenelle chegou para ocupar o seu lugar, mas mesmo a protecção dos Senhores da Guerra não impediu que os seus inimigos lhe provocassem um terrível mal. Agora é necessário protegê-la até às últimas consequências. Mas será que ainda é possível recuperar Jaenelle?

Volume III - Rainha das Trevas
Há setecentos anos, num mundo onde os homens são meros súbditos, uma Viúva Negra profetizou a chegada de uma Rainha na sua teia de sonhos e visões.
E agora, a Corte das Trevas foi estabelecida.
 Incapazes de atingir Jaenelle, a jovem Rainha, os membros corruptos dos Sangue fazem um jogo perverso de diplomacia e mentira, procurando destruir aqueles que sempre deram tudo por ela. E revertem as culpas para o seu tutor, Saetan, que passa a ser visto como a maior das ameaças ao poder instituído. Com Jaenelle como Rainha, a chacina do povo e a profanação das terras irá terminar. Porém, onde se fechou uma porta poderá abrir-se uma janela... E mesmo que Jaenelle possa contar com os seus aliados, talvez não seja suficiente: só um terrível sacrifício poderá salvar o coração de Kaeleer.





Sem comentários:

Enviar um comentário