quinta-feira, 27 de outubro de 2016

A Rapariga do Comboio - Paula Hawkins

Bem sei que é quase cliché falar deste livro agora, mas que queres? Só o li a semana passada. Não, ainda não vi o filme, mas pretendo ver.

O livro é bom. Ultimamente tenho lido mais livros de suspense e este é de facto bom. A autora consegue transmitir bem as emoções das narradoras que nos fazem sentir as suas dores, medos e paixões.

É um livro contado pela voz de três mulheres, todas envolvidas na mesma história e esta abordagem permite-nos compreender as situações de uma forma mais completa, na medida em que nos dá a conhecer as diferentes perspectiva do mesmo facto.

A narrativa também é boa. Não é maçadora e mantém-nos atentos e com vontade de saber mais. Não me pareceu, no entanto, um suspense de tirar a respiração e, muito embora, a história se mantivesse na minha cabeça ao longo o dia, não conseguiu criar em mim aquela vontade louca em querer voltar a pegar-lhe como me acontece tantas vezes.

A reviravolta da história é muito boa e Paula demonstra uma excelente capacidade, em termos de trama, de manter a coerência sem nunca deixar perceber as suas intenções, tão contrárias aos indícios com que nos vai alimentando.

Trata-se da história de uma mulher que viaja todos os dias no mesmo comboio, que se habituou a observar as casas do trajecto que percorre diariamente e os seus moradores começaram a ser-lhe familiares. 

Trata-se de uma mulher perdida no meio de sentimentos que a empurram para um poço sem fundo, cuja infelicidade, irá perceber mais tarde, é causada por um motivo muito diferente daquele que sempre julgara.


Sinopse
(retirei da wook)

Todos os dias, Rachel apanha o comboio... No caminho para o trabalho, ela observa sempre as mesmas casas durante a sua viagem. Numa das casas ela observa sempre o mesmo casal, ao qual ela atribui nomes e vidas imaginárias. Aos olhos de Rachel, o casal tem uma vida perfeita, quase igual à que ela perdeu recentemente.

Até que um dia... 

Rachel assiste a algo errado com o casal... É uma imagem rápida, mas suficiente para a deixar perturbada. 

Não querendo guardar segredo do que viu, Rachel fala com a polícia. A partir daqui, ela torna-se parte integrante de uma sucessão vertiginosa de acontecimentos, afetando as vidas de todos os envolvidos.


Sem comentários:

Enviar um comentário