quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Deixei-te ir - Claire Mackintosh

Não sei se sabes, mas sou seguidora de alguns blogs dedicados à leitura, um deles, e pelo qual tenho uma simpatia muito especial, é o da Cris " O tempo entre os meus livros. Gosto muito das opiniões da Cris e da forma como ela é enquanto blogger. Bem hajas, Cris por todas as tuas partilhas e apoios.

No post que fez no dia 1 de agosto, a Cris deu a sua opinião sobre o livro Deixei-te ir de Claire Mackintosh. Eu tinha estado com o livro na mão, mas pelo título (que achei muito pouco apelativo) não comprei, achei que seria uma história muito levezinha e a puxar para o "romântico de cordel".

Depois de ler a opinião da Cris fiquei em pulgas e, assim que consegui, comprei o livro.

Meu amigo, foi prova, provada, que não devemos julgar nada pela sua capa. Aprende a lição, Coruja, aprende a lição.

Trata-se de uma história que nos envolve desde o início, apesar de nos parecer que pouco nos trará enquanto enredo, até que a meio do livro, hirra!, tudo fica de pernas para o ar e temos que analisar todas as opiniões que fomos construindo sobre as personagens. A Cris chamou-lhe um murro no estômago e foi, foi sim, um murro no estômago. Levei algum tempo para encaixar a ideia de que a situação era aquela e não a que eu tinha pensado. (magnífico como a autora consegue este efeito, é arte!)

A história está bem pensada, as personagens bem construídas e a narrativa muito bem estruturada. É usada a primeira pessoa, mas em diferentes pessoas, pelo que conseguimos ter uma perspectiva quase 3D de algumas personagens.

A escrita está muito bem conseguida. Não é poética, nem jornalística, fica no meio termo o que lhe confere simplicidade e clareza e torna a sua leitura acessível, fácil e rápida.

A autora consegue descrever com muito sucesso as emoções, transmiti-las de modo a que as sintamos verdadeiramente. As mais exploradas são o pânico, o medo, a impotência, a raiva/desdém, a violência. Os sentimentos são fortes e são bem transmitidos mas, para mim, ficou a nota da autora conseguir, mesmo assim, que a violência do livro não se sobreponha à história, nem às personagens, mantendo uma narrativa agradável e sã.

Estou muito grata à Cris, sem ela eu não teria lido este magnífico livro.


Sinopse:
Numa fração de segundos, um acidente trágico faz desabar o mundo de Jenna Gray, obrigando uma mãe a viver o seu pior pesadelo. Nada poderia ter feito para evitar esse acidente.
Ou poderia? Essa é a pergunta que a inquieta quando tenta deixar para trás tudo o que conhece, procurando um novo recomeço refugiada num chalé isolado na costa de Gales.

Também o detetive Ray Stevens, responsável pela investigação deste caso, começa a ser consumido pela sua entrega ao mesmo, deixando a vida pessoal e profissional à beira do precipício.

À medida que o detetive e a sua equipa vão juntando as pontas do mistério, Jenna, lentamente, permite-se vislumbrar uma luz de esperança no futuro, o que lhe dá alguma segurança, mas é o passado que está prestes a apanhá-la e as consequências serão devastadoras,


2 comentários:

  1. Olá Claudia! Com tanto elogio fico sem jeito!!! Obrigada. Bem saber que alguém lê algo de que gostámos muito e que também tem essa opinião. Beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Todos muito, mas mesmo muito merecidos. Beijinhos.

      Eliminar