terça-feira, 30 de janeiro de 2018

Seja dona do seu tempo - Christian Barbosa

Imagem
Hoje trago-te uma das minhas leituras deste mês, o livro de Christian Barbosa, um perito em produtividade, Seja Dona do Seu Tempo.

Para muitos poderá ser redundante, ou até, quem sabe, uma afronta a existência de um livro sobre produtividade dedicado apenas às mulheres. Porquê? Será a gestão de tempo diferente consoante o género?

Bem, o autor explica o porquê e dá umas razões esquematizadas entre as quais, porque as mulheres:

- apresentam um nível de urgência mais elevado
- movem-se em mais esferas de ação 
- têm objetivos mais focados no Ser do que do Ter
- abdicam mais facilmente do tempo para si mesmas
- têm uma maior capacidade para multitasking

E vai mais longe, cito: "Esta nova posição que as mulheres assumiram na sociedade resultou numa acumulação de tarefas. A mulher moderna desempenha múltiplos papéis em simultâneo, pois tem de ser mãe, profissional, amiga, esposa ou namorada e "psicóloga", entre vários outros atributos, e por isso mesmo vezes falta-lhe tempo para ser ela mesma"(página 24).

Interessa ressalvar de imediato que se trata de um livro suportado por um trabalho sério de pesquisa e que revela como intenção a disponibilização de um método que permita uma melhor gestão de tempo, tudo estruturado pelo conceito da Tríade do Tempo

A Tríade do Tempo é um conceito de caracterização de tempo criado por Christian Barbosa e que divide as atividades em três:

Importante - o que é relevante na tua vida
Urgente - o prazo já foi tultrapassado ou está perto de o ser
Circunstancial - atividades feitas apenas por conveniência mas sem valor/significado intrínseco

Logo no início somos convidados a realizar um teste para sabermos qual destas esferas ocupa mais o nosso tempo. O Christian apresenta como modelo ideal 70% de importante, 25% de urgência e 5% de circunstancial. Fiz o teste e digo-te, tenho um longo caminho a percorrer e muito para aprender. ;-)

Numa escrita muito fluente e próxima, sem arabescos e muito clara, o autor vai conduzindo-nos pelos capítulos, primeiro ajudando a encontrar a melhor ferramenta para libertarmos a memória e termos o mais controlo possível do que fazemos, depois, ensinando-nos a definir metas como forma de organização de  tempo. Ou seja, saber o que se quer é a única forma de conseguir gerir o tempo dando prevalência ao importante e conferindo, assim, significado ao seu dia-a-dia.

O livro está estruturado em pequenos capítulos, muito concisos e focados no objetivo a que se propõem. Por exemplo, o capítulo sobre a importância da identificação de papéis que cada mulher desempenha e a forma de planear as atividades, debruça-se apenas sobre isso e sublinha de forma clara que é com base nesta identificação que poderemos definir o tempo que queremos gastar com cada uma das áreas. 

Imagem
A seguir, Christian leva-nos pela gestão de tempo no trabalho, pelo equilíbrio entre vida pessoal e profissional, onde enfatiza a forma como podemos conseguir mais tempo para a família, sem perdermos o foco do que queremos produzir profissionalmente. Neste ponto, por exemplo, o autor defende que a primeira atitude a tomar é descobrir quanto tempo temos, realmente, para a família. Tempo de qualidade e de entrega total. A partir do momento em que sabemos quanto tempo temos, devemos saber quando é que o temos e comprometermo-nos a usufruir, com qualidade, desse momento.

É neste prisma que encaixa o capítulo dedicado aos relacionamentos. Neste ponto, não deixa dúvidas afirmando claramente que o relacionamento mais importante que temos é aquele que temos connosco próprios, aconselhando-nos a colocar na agenda um período de tempo que seja para usufruirmos de algo que nos dê prazer. Não obstante seja este o enfoque, há também lugar para os outros relacionamentos.

Na esfera do que se pode considerar relacionamento, há também um capítulo dedicado apenas ao papel de mãe, visto aqui não como um relacionamento mas como um âmbito de ação. A abordagem é, não apenas de como poderemos executar a "profissão mãe" com maior produtividade e satisfação, mas também como podemos ajudar os nossos filhos a desenvolver hábitos produtivos.

O último capítulo aborda a gestão da casa e apresenta um conjunto de dicas com o intuito de agilizar a dona de casa. Este é, para mim, o capítulo mais fraco. Acredito mesmo que por ser um pouco fora do âmbito de reflexão do Christian, se torna um capítulo superficial e com pouco ou nenhum conteúdo novo. 

Por fim, são nos dados a conhecer os principais perfis de mulher, consoante a sua atitude perante as atividades e os papéis que desempenha, sugerindo, o autor, algumas melhorias para cada um dos perfis. É nos facultado um teste para descobrirmos o nosso. 

O objetivo do livro é nada mais nada menos do que ajudar-nos a sermos donas do nosso tempo, a assumir o controlo, sendo a dica principal a consciencialização do que é importante.

Recomendo vivamente o livro. Para quem conhece o trabalho do Christian, o conteúdo não é inovador, mas a forma esquematizada e bem articulada de como tudo é apresentado dá-nos uma perspectiva mais organizada e clara daquilo que podemos/devemos fazer. 

Sem comentários:

Enviar um comentário