quinta-feira, 29 de junho de 2017

O preço da felicidade - Danielle Steel

Nunca tinha lido Danielle Steel. Já tinha ouvido falar muito sobre a autora, sempre opiniões positivas e foi com grande curiosidade que comprei este livro.

Logo no início senti-me muito desiludida. O estilo de escrita é bastante descritivo, não deixa nada à descoberta, o que me desapontou bastante. Eu gosto de livros que deixam, ao leitor, um papel mais ativo. As personagens são exaustivamente descritas, quer fisicamente, quer em termos psicológicos, quer mesmo em termos da sua história. Os locais são também muito descritos e até mesmo os sentimentos que os personagens têm ao longo dos diálogos não os apreendemos como fruto da nossa interpretação de leitor, mas são nos transmitidos, pormenor por pormenor, pela autora. Enfim, nada é deixado ao livre pensamento do leitor e só isso para mim já retira bastante prazer à leitura.

A história é muito ligeira. Não o conteúdo da história, mas digamos os floreados. Ou seja, Danielle mostra-nos personagens perfeitas. São excelentes pessoas, muito competentes, muito bonitas. São casais que quando entram num restaurante todos param para olhar o belo casal, enfim... É tudo idílico de uma forma muito conservadora.

A história, no entanto, no seu cerne é interessante, principalmente porque a autora se debruça sobre o tema da paternidade/maternidade de uma forma muito realista. Diferentes perspectivas, muitos problemas, opções de abordagem e de resolução diferentes. A este nível gostei da estrutura da história e deixa-me a esperança que sobre outro tema, aqueles aspetos dos quais não gostei possam ser atenuados, mas confesso fiquei com muito pouca vontade voltar a ler Steel.


Sinopse
(retirei da Wook)
Logo a seguir ao seu casamento com Andrew, Diana sugere em tom de brincadeira que irá engravidar durante a lua-de-mel. Muito tempo depois, ainda não está grávida. E enquanto cada mês que passa lhes traz uma nova desilusão, Diana e Andrew terão de questionar até onde estarão dispostos a ir por um filho. 
Charlie sonha com uma casa cheia de filhos. Porém, a sua noiva tem outros planos. Quando Charlie descobre que é estéril, terá de repensar os seus valores - e o seu casamento com uma mulher que não partilha os mesmos sonhos que ele. 
Ao fim de dez anos de vida em comum, Pilar decide casar com Brad Coleman, 19 anos mais velho do que ela e pai de dois filhos adultos. Apesar de a vida a dois ter sido satisfatória, Pilar não consegue deixar de pensar se algum dia se arrependerá de não ter tido filhos com Brad. Contudo, será uma gravidez tão tardia arriscada? E que diz do facto de o marido estar prestes a ser avô? 
Através da vida destes casais, Danielle Steel mostra-nos as venturas e desventuras de quem pretende constituir uma família.

Sem comentários:

Enviar um comentário