terça-feira, 4 de abril de 2017

Haja tempo!

Quando falamos de gestão pessoal, normalmente, começamos a pensar em como gerimos os nossos horários, os nossos compromissos, enfim, em como nos gerimos em termos de tempo. Não obstante o tempo ser um fator muito importante, quando procuramos o equilíbrio da nossa vida, não é o único pilar da gestão pessoal. Há outros que, quanto a mim, são muito mais decisivos, estou a lembrar-me da gestão das emoções. Mas lá chegaremos. Por agora vamos mesmo focar-nos no tempo e em como podemos manipulá-lo no nosso interesse.

Como tive oportunidade de referir neste post, o tempo é, por ventura, a ideia menos concreta com a qual lidamos diariamente e aquela que mais peso tem sobre o nosso quotidiano, que mais nos condiciona. Queremos sempre ter mais tempo, queixamo-nos da falta de tempo. Mas esquecemo-nos de fazer esta simples reflexão: o que é o tempo?
Imagem

O tempo por si só não existe, existe o dia e existe a noite, apenas isso. Se tivéssemos decidido que o dia seria composto por 5 noites, então o dia teria a duração de uma semana útil, não é verdade? Não quero entrar em filosofias, mas quero que percebas esta ideia, os parâmetros pelos quais contamos o tempo são gerados por nós, para nosso uso, não existem por si só, não são reais.

Ora se tiveres esta ideia bem interiorizada o que sobra? A tua necessidade, a tua sobrevivência. A partir daí gerires o tempo será utilizá-lo em teu benefício. Queres viver isolado? Não, então tens que aceitar e viver conforme as regras estabelecidas para a contagem do tempo. Ou seja, terás que seguir a contagem da hora, dos meses, do ano, enfim...

Mas não és obrigado a gerir a tua esfera pessoal por uma grelha rígida de tempo. Gerires o teu tempo passa, primeiro, por analisares a tua vida, as tuas atividades, os teus relacionamentos e compromissos e refletires sobre como melhor poderás utilizar o tempo a teu favor.

Qual é a importância disto tudo? Tanta conversa para quê?

Sabes, é que se interiorizares esta ideia, estarás a interiorizar a liberdade que tens para escolheres qual a melhor forma de trabalhares com o tempo, sem estares sempre a batalhar contra ele.

Haverá coisas na tua vida que irás temporizar anualmente, outras mensalmente, trimestralmente outras diariamente.

Há muitas pessoas que organizam o seu tempo por trimestres, para mim não tem aplicação, para a vida que tenho hoje em dia, esse quadro temporal de 3 meses não tem cabimento. Nem mesmo o semestral, mas o anual é fundamental na medida em que a maior parte da minha vida se enquadra no ciclo dos 12 meses.

As horas para mim têm uma aplicação meramente de controlo do fluxo do dia, mas para pessoas que trabalham à hora, esta medida será com certeza fundamental.

A semana para mim também tem uma grande importância, aliás, penso que posso dizer que em termos de gestão de vida/atividades é a semana a minha mais forte baliza. Planeio a ementa semanal, faço compras semanais, planeio as atividades do blog semanalmente, faço a gestão da casa semanal, nomeadamente a limpeza. Como vês, é esta a minha mais forte balança em termos, digamos, práticos da minha vida. Por isso me ouvirás tanta vez dizer que a segunda-feira tem sempre a magia de um novo recomeço. É isso que eu sinto, à segunda-feira, é o renovar do ciclo.
Imagem

Não há segredos bem guardados, nem dicas certeiras que te possam revolver o problema. Cabe-te a decisão de como deves utilizar o tempo, pois apenas tu sabes quais são as tuas atividades, quais as caraterísticas de cada uma delas e, principalmente, és tu quem melhor conheces a tua personalidade e, consequentemente, detém a chave para o teu melhor funcionamento.

Num outro posto, partilharei contigo como uso o tempo a meu favor, contarei as minhas dificuldades e incertezas. Hoje, quero apenas dizer-te para pensares fora da caixa, não fiques pelo preconceito de que o tempo é isto, ou aquilo. Liberta a tua mente dessas condicionantes e olha o tempo com um olhar renovado. Baralha as tuas noções antigas e cria a tua própria forma de trabalhar com o tempo.

Sem comentários:

Enviar um comentário